Funcef e outros fundos explicam opções de investimentos a parlamentares

Por Douglas Alexandre
  • 29 de novembro de 2021

Representantes dos fundos de pensão – incluindo a Fundação dos Economiários Federais (Funcef) – estiveram em uma audiência pública na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, nesta quarta-feira (24), para explicar os aportes nos Fundos de Investimento em Participações (FIP) Sondas, da Petrobras. A reunião foi a pedido dos deputados Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ) e Leo Brito (PT-AC).

O FIP Sondas foi um mecanismo da Petrobras para obtenção de recursos para a compra de sondas de exploração do pré-sal, tendo como contrapartida retornos aos investidores. Os investimentos trariam posteriormente prejuízos aos fundos de pensão – o que levou inclusive à abertura de investigações criminais contra parte de seus ex-dirigentes.

Gilson Santana, atual presidente da Funcef, defendeu que o fundo de pensão dos economiários foi vítima de possíveis atos ilegais na gestão da Petrobras, mas que não teve participação nestes desvios: “A Funcef ingressou com uma ação de improbidade contra a companhia [Petrobras] e alguns de seus ex-dirigentes”, relatou. A Funcef busca compensações para os prejuízos oriundos da situação.

Paulo César Martín, Diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e ex-diretor da Petros, apresentou as razões pela opção de investir no FIP Sondas à luz das informações que havia naquele momento.

“Nós estamos falando da camada do pré-sal. Hoje, 75% do petróleo extraído no Brasil vem do pré-sal. Não há nenhuma dúvida em relação ao êxito. A Petrobras tinha a necessidade [de ter sondas], a capacidade técnica e não havia sondas no mercado”, explicou. “Eram necessárias as sondas? Eram e continuam sendo. A Petrobras paga aluguel de sondas”.

Martín ressaltou que os fundos de pensão – Petros, Previ e Funcef – tomaram a mesma decisão que grandes bancos privados por investir no FIP, e criticou a ideia de que era possível prever o que aconteceria posteriormente – a interrupção da ação Petrobras na compra de sondas por conta da operação Lava Jato.

“Previsão do passado é ciência exata. Os bancos [privados] também fizeram. E colocaram dinheiro na mesma proporção. Por que os dirigentes do Bradesco, do Santander, do BTG, não estão sendo processados?”, provocou.

Fonte Fenae, com informações do Reconta Aí

Gostou do post? compartilhe com seus amigos:

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta